terça-feira, 1 de novembro de 2011

Três vezes Morrigan




Morrigan...

Muitos pronunciam seu nome, muitos clamam ser seus súditos.
Poucos a conhecem.

Muitos pensam que ela é uma divindade sanguinária, que exige sacrifícios de animais ou práticas doentias de automutilação. Esses não conhecem a Morrigan; nada sabem dela. Talvez a confundam com alguma outra divindade não-céltica, distorcida e cultuada por mentes perigosas.

Muitos acham que encontrarão a Morrigan em modismos góticos e ambientes dark... Talvez apreciem a morbidez pela morbidez – práticas modernas que nada têm a ver com a Morrigan.

Essa não é a Morrigan.

A Morrigan é a Grande Rainha. Ela é a majestade da terra;
- a Vida, e a preservação dela;
- a Beleza, e o esplendor dela;
- a Sabedoria, e a fonte dela.

Deusa Eriu ou Macha, Ela é a própria terra, mãe de todos os seres vivos. Ser filho dela é compreender a Vida. É encantar-se com a beleza de campos floridos, lagos cristalinos e do sol dourado sobre as plantações. É correr como os cavalos e voar como o vento. Conhecer a Morrigan é sucumbir prazerosamente à delícia dos frutos da terra, do leite recém-ordenhado, da carne suculenta no prato, do peixe fresco do mar.





Maga e donzela, Ela é a sedutora de Deuses e heróis. Por meio de encantamentos, Ela se transmuta em toda e qualquer coisa, dobrando o mais valente dos homens, conquistando o maior dos Deuses. É com Ela que se casam os reis; sem Ela, não há realeza ou majestade. Ela é a Soberania. Unir-se à Morrigan é entregar-se à sua sedução. Aprender a seduzir, encantar, possuir – e deixar-se possuir.




Idolatrada por muitos guerreiros, a Morrigan é Badb Catha, a Guerra, o espírito da guerra. Espírito, alma, entendimento profundo, conhecimento sutil. Conhecimento de causa e efeito. Saber por que lutamos, pelo que vivemos e pelo que morremos. A certeza de uma causa nobre não nos permite hesitar nem mesmo diante da ferocidade da batalha.



O corvo fala, a sabedoria antiga revela: a Soberania não pode ser ameaçada. Pois dEla dependem a Vida e a liberdade dos filhos da terra. A coragem dos guerreiros é a Beleza preservada. A morte não é sinistra para os que compreendem a Vida. Morremos, e nossa alma segue vivendo, em cada morte e renascimento. E a Vida segue seu curso, como um rio de curvas infinitas, de luz e escuridão.


Bandruir - entre mundos, entre Samhain e Beltane, 2011.

6 comentários:

  1. Lindo texto, Ban!!!Retratando a verdadeira Morrighan vc demonstra que Ela é muito mais do que meros arquétipo! Parabéns!!!
    rsrsrs Estamos iguais, fluindo entre os mundos de Samhain e Beltane!
    Beijos,
    Anna

    ResponderExcluir
  2. Bandruir,só você mesmo pra falar e escrever com tanta propriedade sobre Morrighan,dá orgulho de ter a oportunidade de ler e ouvir,é emocionante a profundidade e presteza de como você se refere a Grande Rainha.
    Que Ela lhe cubra de Bençãos.
    Um abraço carinhoso,Fernanda!!!

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso texto! Senti nas palavras o que sinto desta bela Rainha, desta maginifica Deusa... Bandruir, que a majestade esteja sempre com você. Bjos.
    Marcos Reis

    ResponderExcluir
  4. A Rainha merece sempre o melhor. Que bom que há outras pessoas que também vêem e vivem a majestade da Morrigan.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Lindo, Bandruir... Salve, Mor Rioghain!!!

    ResponderExcluir